Rondônia,20/01/2020
    20/01/2020

    Campo perdeu 1,8 milhão de empregos entre 2012 e 2019

    Produção agropecuária aumentou em média 3,1% ao ano no período, com baixas registradas apenas em 2012 e 2016, devido a quebras de safra por problemas…
    19/01/2020

    Exposição de produtos da agricultura familiar ganha calendário fixo no Palácio Rio Madeira, em Porto Velho

    Para dar maior visibilidade e movimentar a economia da agricultura familiar, o governo de Rondônia, por meio da Secretaria de Estado da Agricultura (Seagri), montou…
    18/01/2020

    Políticas agrícolas para Florestas Plantadas no Estado definidas como uma das prioridades do governo

    As discussões voltadas para políticas agrícolas direcionadas à floresta plantada em Rondônia são apontadas com uma das prioridades do governo do Estado com atenções nas…
    17/01/2020

    Revitalização e fortalecimento da cadeia produtiva do cacau aumenta a produção em Rondônia

    Em 2019, o setor cacaueiro encerrou o ano com a produção de 5,3 mil toneladas num total de 10 mil hectares de área plantada, o…
    16/01/2020

    Banco da Amazônia prevê investimentos acima de R$ 2 bilhões para o desenvolvimento de Rondônia

    Para 2020, o Banco da Amazônia disponibiliza R$ 9,9 bilhões para a região Norte, sendo R$ 2,04 bilhões para o desenvolvimento econômico e social no…
    16/01/2020

    Prefeitura auxilia agricultores na produção da silagem de milho em Castanheiras

    A Prefeitura de Castanheiras (RO), através do Departamento de Agricultura, está auxiliando os agricultores do município, por meio de sua patrulha agrícola, na produção de…
    16/01/2020

    Governo do Estado de SP anuncia edital de parceria em inovação tecnológica e pesquisa com bezerros leiteiros

    Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, por meio do Instituto de Zootecnia (IZ/Apta), anuncia a publicação de Edital Chamamento Público que…
    15/01/2020

    Pequenos produtores recebem orientação para tornar terras pouco produtivas em negócios rurais lucrativos em Rondônia

    Pequenos proprietários rurais da região do reassentamento Riacho Azul, em Porto Velho, foram ouvidos pelo vice-governador e governador em exercício de Rondônia, José Jodan, na…
    15/01/2020

    Cuidados com o manejo da despesca ajuda na conservação e qualidade do peixe em Rondônia

    O estado de Rondônia é considerado o maior produtor de peixes nativos do país. Segundo o anuário PeixeBR da piscicultura de 2019, Rondônia chegou a produzir…
    15/01/2020

    Mais de mil cestas são doadas em municípios atendidos pelo distrito Yanomami

    Começa a partir desta quarta-feira (15) mais uma etapa de entrega das 1.002 cestas de alimentos que serão doadas pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab)…

    Artigos

      Para cada região, a época de plantio ocorre em distintos períodos do ano, uma vez que a época mais adequada é aquela em que durante todo o ciclo da cultura ocorrem as condições climáticas favoráveis, dependendo da localização e altitude. A época de plantio mais favorável para a cultura da melancia é que apresenta temperaturas variando de 18 °C a 25 °C. Nesse contexto, nas regiões de clima frio, o plantio da melancia é feito de outubro a fevereiro; nas de clima ameno, de agosto a março, e nas regiões de clima quente, o ano todo, com uso da irrigação. Deve-se evitar, porém, as épocas de chuvas intensas. As maiores regiões produtoras da cultura encontram-se em condições de baixa altitude, em razão do clima propício, seco e quente, inclusive durante a estação de inverno. Tais regiões possibilitam o plantio de março a julho, época de melhor cotação de preços em função de menor oferta do produto. No Centro-Sul, o plantio durante a primavera-verão, com temperaturas adequadas, porém com pluviosidade excessiva, não produz frutos de boa qualidade. Já a semeadura durante o outono, desde que a temperatura não se torne fator limitante, oferece condições para se obter alta produtividade e boa qualidade de frutos. Em locais altos — acima de 800 m de altitude —, a época de plantio vai de agosto a março. Nos demais meses, as baixas temperaturas são fatores limitantes ao cultivo. Todavia, em locais baixos — abaixo de 400 m —, com invernos suaves, pode-se semear durante todo o ano. No Nordeste do Brasil o cultivo da melancia ocorre sob condições de sequeiro — período chuvoso — e sob irrigação. O primeiro, é um cultivo tradicional onde a melancia é plantada em consórcio com outras culturas alimentares ou de forma isolada, no período de dezembro a março. Nesta forma de cultivo, os agricultores utilizam sementes retiradas de suas próprias lavouras e tal hábito permitiu a criação da diversidade genética para a cultura da melancia no Nordeste brasileiro. O cultivo em áreas irrigadas no Vale do São Francisco pode ocorrer durante todo o ano, sendo o período de agosto a outubro, o de maior concentração de plantio que também corresponde à época de menor preço no mercado. No período de novembro a março, há uma menor área plantada, por causa dos riscos de perdas na colheita com as chuvas. No entanto, este é o período onde, geralmente, a melancia é comercializada a preços mais elevados. Sistema de Plantio Utiliza-se geralmente o plantio em semeadura direta, gastando-se, em média, 0,8 kg a 1 kg de sementes por hectare, semeando-se de 2 cm a 3 cm de profundidade e colocando-se de três a quatro sementes/cova — para as cultivares de frutos compridos e cilíndricos, 10 a 15 sementes/grama, e para as cultivares de frutos globulares, 20 a 24 sementes/grama —. Em pequenas áreas, pode ser usada a adubação de plantio em sistema de covas, com as dimensões de 30 x 30 x 30 cm — comprimento x largura x profundidade —; no caso de grandes áreas, a adubação é feita nos sulcos de plantio. Para acelerar e uniformizar a germinação pode-se fazer a imersão —embebição — prévia das sementes em água a 30 oC, por 4 horas. No entanto, este procedimento não deve ser realizado com as cultivares triploides, que apresentam baixo vigor das plântulas. Poucos estudos associam tal fato ao fraco desenvolvimento do embrião e à espessura do tegumento da semente como sendo os principais fatores que causam os baixos níveis de germinação. O semeio deve ser feito em solo úmido, para evitar a desidratação das sementes. Outra forma de cultivo da melancia, principalmente no caso de sementes de maior valor, é o transplantio de mudas produzidas em recipientes próprios, tais como: bandejas de isopor, sacos plásticos ou copinhos de jornal. As cucurbitáceas, em geral, não toleram a formação de mudas de “raízes nuas”. É necessário ter cuidado para não passar do momento exato do transplantio, que não deve exceder o período da emissão da primeira folha definitiva ao início da segunda. Como vantagens do sistema de produção de mudas, destacam-se a diminuição do gasto com sementes; maior facilidade e economia nas irrigações, bem como no controle de pragas e doenças durante a fase inicial da cultura; e maior garantia na obtenção do número ideal de plantas por hectare. Além disso, as mudas feitas em recipientes podem ser utilizadas em replantios, quando se realiza a semeadura direta. Espaçamento A planta de melancia possui considerável grau de capacidade de competição e, na medida em que se aumenta o espaço disponível, aumentam o desenvolvimento e a produção de cada planta, individualmente. No Brasil, os espaçamentos mais utilizados nos plantios de melancia irrigados por aspersão são de 2 m x 2 m para as cultivares de frutos cilíndricos e de 2 m x 1,5 m para as cultivares com frutos globulares e utilizando-se duas plantas/cova. Nos plantios irrigados por sulco ou por gotejamento, recomenda-se um espaçamento que pode variar de 2,5 m a 3 m x 0,5 m a 1 m, deixando-se apenas uma planta por cova. Plantios durante a estação chuvosa (verão) requerem espaçamentos maiores, considerando-se que as plantas apresentam maior desenvolvimento vegetativo e encurtamento do ciclo. Durante a estação seca, à medida que a temperatura torna-se mais amena, os espaçamentos podem ser mais próximos, considerando-se que o ciclo da cultura aumenta de 15 a 30 dias nessa época. Podem ser usados os espaçamentos 2,5 x 0,7 m; 2,5 x 1 m e 3 x 1 m em épocas mais frias, dependendo da cultivar. Salienta-se que as cultivares de origem americana requerem maior espaçamento que as de origem japonesa. Para as condições do Vale do São Francisco, recomenda-se o espaçamento de 3 m x 0,6 m a 0,8 m deixando-se uma planta por cova — 4.166 plantas/hectare a 5.555 plantas/hectare — sob condições de irrigação. No entanto, levando-se em consideração que os mercados interno e externo tendem a optar por frutos de menor peso, o espaçamento de 2,5 m x 0,4 m poderá ser indicado em função da maior produção de frutos pequenos, abaixo de 4 kg/fruto.

      Videos

      SIC RURAL 12012020
      Confira na integra o Programa Sic Rural que foi exibido no dia 12 de janeiro
      receita rural sic rural
      Olha que delicia essa receita
      Nascente Cacoal sic rural
      Conheça o projeto que está mudando a realidade de muitos moradores da zona rural do
      Nascente Cacoal sic rural
      Conheça o projeto que está mudando a realidade de muitos moradores da zona rural do
      Leite Ariquemes Sic Rural
      conheça agora a história de um produtor que após visitar uma grande feira de produção
      Culinária Sic Rural
      na culinária rural de hoje, um dica para sua ceia de fim de ano, vamos
      ALMOCO CAIPIRA SIC RURALS
      Quem foi da roça e vive na cidade, deve lembrar do gostinho de uma boa
      SIC RURAL 081219 1
      Confira os destaques do programa Sic Rural do dia 08/12/2019. Saiba como foi o almoço caipira
      MURAL RURAL
      Confira quem foi destaque essa semana no Mural Rural do programa Sic Rural.
      1/30
      Compartilhar

      Fotos

      Close