Rondônia,20/09/2018
DESTAQUESGeralOutras

Empresários visitam Porto Público de Porto Velho para futuros investimentos

Representantes da LDC conhecem estrutura do poligonal portuário

Representantes da LDC – Louis Dreyfus Company foram recebidos pelo diretor presidente da Sociedade de Portos e Hidrovias do Estado de Rondônia (SOPH), Leudo Buriti, e o diretor de Operação e Fiscalização, Edemir Monteiro Brasil, e pelo presidente da Federação Nacional das Empresas de Navegação (Fenavega), Raimundo Holanda, no Porto de Porto Velho na manhã desta sexta-feira (29).

Simultânea à reunião, os servidores da SOPH também receberam alunos da Universidad de Pando, da Bolívia, também para conhecer as estruturas e peculiaridades do Porto através do Programa Conheça o Porto.

Durante a apresentação das potencialidades da região, os diretores exibiram as áreas disponíveis do poligonal para efetivação de contratos temporários e passíveis de arrendamento.  “Todo o poligonal tem uma área de 220 mil m², destes, cerca de 50% está disponível para novos contratos com a infraestrutura necessária para operacionalizar qualquer tipo de carga, desde graneis sólidos e líquidos, contêiner e as denominadas cargas gerais”, destacou Leudo Butiri.

Alunos da Universidad do Pando visitam Porto de Porto Velho

O diretor de operações detalhou as vantagens comerciais e a evolução do plano de modernização e revitalização do Porto de Porto Velho. “Atualmente, nossos pátios comportam cerca de 300 carretas/dia, com berços de atracação simultâneos tanto no cais flutuante quanto na rampa RO-on/RO-off. Além da possibilidade de realizar todo o trâmite aduaneiro para liberação de cargas de exportação, uma vez que dispomos de recinto alfandegado. É a melhor estrutura do do Estado de Rondônia”, frisou.

Segundo George Takahashi, diretor de logística da LDC, a empresa é especializada em comercializar e processar produtos agrícolas em seis regiões diferentes, tais como: Europa, Oriente Médio, África, América do Norte, América Latina e Ásia. “Nosso objetivo em Rondônia é iniciar a curto prazo a movimentação de pelo menos milhão de tonelada de soja/ano, oriunda do Mato Grosso. Precisamos de espaço e estrutura para instalar nossa planta”, ressaltou.

 

Fonte
Texto: Rafaela Schuindt
Fotos: Rafaela Schuindt
Secom – Governo de Rondônia

 

Compartilhar
Mostrar mais

Notícias relacionadas

Close