Rondônia,22/07/2019
DESTAQUESGeralPecuária

Inovações tecnológicas podem mudar ações desenvolvidas nos serviços da Idoron

Para o diretor executivo, Licério Corrêa Magalhães, a Idaron possui uma fiscalização ampla, que varia de área, saindo da carne para sementes e até de mudas de plantas

O superintendente coronel Delner Freire, da Superintendência do Estado para Resultados (EpR), responsável pelo armazenamento de dados no e-Estado, esteve junto com integrantes da Agência de Defesa Agrosilvopastoril (Idaron)  para adquirir soluções para o patrimônio, almoxarifado e otimização do sistema de fiscalização . O primeiro contato e apresentação das ferramentas que vão auxiliar os serviços prestados pela agência.

De acordo com Raquel Mazzuchelli, responsável pela administração do e-Estado, o sistema possui meios que podem abarcar as demandas da agência. Ainda com as prioridades de demanda com relação ao seu patrimônio e almoxarifado, a ferramenta vai ligar essas utilidades com catálogo de serviço de itens fornecida pela Superintendência Estadual de Licitações (Supel).

“O patrimônio do estado está inflado e essa metodologia de registro serve para avaliar os bens. Tem bens que não possui tombamento (placa de identificação) e fica difícil mensurar seu valor. Diz Deison Zanotto, técnico da EpR.

Com a utilização desse serviço pela Idaron, o Estado têm seus sistemas conversando e interagindo com seus bancos de dados para uma gestão menos burocrática. O estado possui todo o patrimônio adquirido de setembro de 2017 até hoje registrado no e-Estado. Em conversa com a agência foi sugerido que seja aberto uma funcionalidade que acuse o prazo de validade dos materiais que estão prestes a vencer. “Esse recurso já está sendo pensado para aplicação e ainda para  quando estiver próximo do seu vencimento, direcioná-lo para outros setores que tem o mesmo uso”, fala Deison.

Para o diretor executivo, Licério Corrêa Magalhães, a Idaron possui uma fiscalização ampla, que varia de área, saindo da carne para sementes e até de mudas de plantas. Outra preocupação é a conclusão da vacina de febre aftosa que pode ser concluída até meio do ano. “Estamos na última etapa de vacina e vamos ter concluído 100% de vacinação”, disse.

Preocupado com essas legislações internas da Agência, o diretor apresentou essa demanda para EpR. O superintendente, Coronel Delner, junto com a Diretoria Executiva de Tecnologia da Informação e Comunicação (Detic), mostraram o método de prestação de serviço. Modo esse que a cada dez dias é apresentado um serviço e o órgão tem ciência do que está sendo produzido e entregue.

“Nossa proposta é informatizar os serviços do governo para que tenha mais facilidade nas respostas de atendimento”, falou Delner. Segundo ele, com essa legislação própria da Idaron, o sistema que será desenvolvido será independente no gerenciamento para não engessar o serviço.

A Agência desenvolve trabalho com diversos programas, onde suas principais atividades estão voltadas para controle sanitário do rebanho bovino, inspeção sanitária de produtos e subprodutos de origem animal, fiscalização de movimentação de animais,controle de trânsito de material vegetal, fiscalização de produto, comercialização e uso de agrotóxicos, e inspeção e classificação de produtos de origem vegetal. Ainda segundo o superintendente da EpR, a ideia é que junte, em único portal, todos os serviços de fiscalização e emissão de licenças, mas cada uma com suas particularidades.

Fonte: Maximus Vargas – Assessor de comunicação

Compartilhar
Mostrar mais

Notícias relacionadas

Close