Rondônia,20/07/2019
AgronegócioBrasilDESTAQUES

Pesquisa com pirarucu desenvolvida pela Embrapa no Tocantins concorre a prêmio inovação aquícola

A Embrapa está concorrendo em duas das cinco categorias do Prêmio Inovação Aquícola. Trabalho com pirarucu é um dos três finalistas da categoria “Academia” e a versão 1.3 do Aquisys está na categoria “Políticas Institucionais”.

O trabalho “Fisiologia reprodutiva do pirarucu Arapaima gigas e desenvolvimento de ferramentas para o manejo de reprodutores” é do pesquisador Lucas Torati, da Embrapa Pesca e Aquicultura (Palmas-TO). Um dos ganhos obtidos foi diminuir a idade possível para a identificação sexual da espécie. Antes, apenas em animais adultos (com mais de três anos) isso era possível; com o trabalho desenvolvido pelo pesquisador, esse tempo foi reduzido para um ano de idade.

Outro avanço é com relação ao custo de se identificar o sexo do pirarucu. O método anterior, em que se identifica a proteína vitelogenina no sangue, é considerado caro. Já a identificação por meio de canulação (colocação de um dispositivo para acesso ao ovário) tem um custo financeiro muito barato.

Quem explica é o pesquisador: “a identificação sexual é importante para formação de casais e a identificação do estágio de maturação gonadal é importante para saber se as fêmeas são sexualmente maduras e se estariam próximas de um evento reprodutivo”. Lucas continua dizendo que “após o estudo, desenvolveu-se a técnica de canulação antes considerada impossível para a espécie (mas amplamente usada em outras espécies para a mesma finalidade). Isso foi somente possível porque usou-se um endoscópio para compreender a anatomia gonadal das fêmeas, viabilizando o procedimento de canulação”.

Ainda de acordo com o pesquisador, “a técnica de canulação utiliza uma cânula uretral (R$3,00) para coletar uma biópsia do ovário e analisá-la (tamanho dos ovócitos está relacionado ao estágio de maturação), e junto disso identifica-se o sexo dos animais”. Dessa maneira, conseguiu-se desenvolver uma ferramenta mais barata e que pode ser utilizada mais cedo para identificar o sexo do pirarucu.

Maior peixe de escamas de água doce do mundo, o pirarucu chega a ultrapassar 250 kg e apresenta crescimento anual de mais de 10 kg. É uma espécie promissora para a aquicultura sul-americana. No entanto, a reprodução da espécie em cativeiro é difícil, pois faltam conhecimentos e ferramentas práticas para que isso ocorra. O estudo da Embrapa vem preencher parte dessa lacuna.

Outro finalista

A Embrapa também é finalista do Prêmio Inovação Aquícola com o Aquisys versão 1.3. O Sistema informatizado de apoio às boas práticas de manejo e gestão ambiental da aquicultura foi desenvolvido em conjunto com a Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (Apta) / Polo Regional Leste Paulista. São cinco as Unidades da Embrapa envolvidas: Meio Ambiente (Jaguariúna-SP), Tabuleiros Costeiros (Aracaju-SE), Agropecuária Oeste (Dourados-MS), Amazônia Ocidental (Manaus-AM) e Pesca e Aquicultura. Acesse neste link matéria sobre a participação do Aquisys v.1.3 no prêmio.

Os vencedores das cinco categorias serão anunciados no dia 15 de maio, durante o Aquishow Brasil, evento que vai acontecer entre 14 e 17 de maio em Santa Fé do Sul-SP, importante polo produtivo de tilápia, hoje o peixe mais cultivado no país. O prêmio é uma iniciativa, além desse evento, de dois veículos de comunicação especializados: a Aquaculture Brasil e a Seafood Brasil.

Clenio Araújo
DE PALMAS (TO)

(Foto Jefferson Christofoletti / Embrapa)

(Da Embrapa Pesca e Aquicultura)

Compartilhar
Mostrar mais

Notícias relacionadas

Close